AGUARDE
11 outubro 2014

À Deriva, mas não parados

Como um surfista, um filmmaker e um designer gráfico dão nova vida à produção de filmes de surfe no Brasil

Segundo os feras que fazem o Deriva acontecer, o espaço se trata de uma ideia do Tomas Hermes (surfista profissional) e do filmmaker Pablo Aguiar de produzir conteúdo próprio, com atletas brasileiros, usando uma linguagem diferenciada, preocupada mais com a estética e não só com o conteúdo em si. Tomas é um dos melhores surfistas brasileiros no WQS e Pablo é um filmmaker consagrado no Brasil, diretor de diversos filmes independentes de surfe, skate e moda, além de produzir conteúdo para cinema e TV. Figuras conhecidas no meio surfístico pelo que fazem na água ou atrás das câmeras. Conterrâneo de Pablo, o designer gráfico Guilherme Rosa se juntou a turma porque tem a habilidade que faltava aos dois fundadores para tirar a ideia do papel. O site criado pelos três amigos chama atenção pelos vídeos bem editados, que mostram performances arrasadoras dos principais surfistas do Brasil. Quem sente saudades de filmes que marcaram as décadas de 90 e 00, como Cambitos, Lombrô e Search Sessions, pode ficar tranquilo porque essa galera mantém a chama acesa. O site criado pelos três amigos chama atenção pelos vídeos bem editados, que mostram performances arrasadoras dos principais surfistas do Brasil. Nosso grande objetivo é se tornar um site referência no Brasil, valorizando e divulgando os surfistas da nova geração brasileira. Queremos mostrar um pouco da rotina dos atletas brasileiros durante as viagens, sejam competidores ou freesurfers, através de vídeos e fotos. Tudo com conteúdo e linguagem própria. Diz Guilherme Rosa, que passa a maior parte do tempo no escritório enquanto Pablo Aguiar e Tomas Hermes caem na estrada. Como isso acontece? Eles explicam. Nosso conteúdo é gerado nas barcas de surfe em que o Tomas e o Pablo fazem com a galera. Ou então os próprios surfistas enviam material inédito pra nós. A intimidade com surfistas como Yago Dora, Filipe Toledo, Alejo Muniz e Jessé Mendes é tanta que durante as gravações é comum surfista filmar e filmmaker surfar. Chamam isso de revezamento, olha só como a coisa funciona:

Navegar no Deriva é como visitar velhos amigos. A sensação é que ali esta um recorte da vida de um grupo de surfistas. Um registro da rotina de uma geração acostumada aos holofotes mas que não deixa de ser um bando de garotos vivendo um sonho, aproveitando ao máximo cada momento. Confira abaixo alguns dos melhores clipes dos caras:

Tags:
COMPARTILHAR