AGUARDE
03 outubro 2016

Art Rua dobra de tamanho e deixa legado para RJ

Festival de arte urbana oficial da Semana de Arte do Rio inaugurou circuito cultural no bairro de Santo Cristo

Art Rua 2016 (Imagem: Daniel Candian)

Desde 2011 no calendário cultural do Rio, o Art Rua, segundo seu idealizador e curador André Bretas, foi um dos eventos pioneiros em apostar na revitalização da Zona Portuária. Agora, em sua sexta edição, que aconteceu entre os dias 29 setembro e 2 de outubro, o festival de arte urbana invadiu, pela primeira vez, o bairro de Santo Cristo, bem no caminho do VLT e consolidou a iniciativa de ocupação do espaço.

“O trecho da Praça Mauá, Rodrigues Alves e Orla Conde já está consagrado no roteiro dos cariocas, então decidimos mudar de local para ocupar mais territórios na região, tanto com frequentadores quanto com novos painéis de arte, que ficarão de legado. O projeto de revitalização da área não pode ficar restrito àquela parte.”

 

Novo galpão tinha 7.500 metros quadrados. (Imagem: Daniel Candian)

 

Legado para a cidade

Durante o evento, aconteceu a abertura oficial do Rua City Lab, laboratório de experiências urbanas idealizado por André Bretas, Daniel Kraichete, Pedro Araripe e outros parceiros locais. O local vai receber a exposição “Somos todos imigrantes”, de William Baglione, dentro da Galeria ACRVO, além de programação musical com DJs, loja de design, banca de zines e publicações independentes de arte. Durante o evento, ainda rolaram workshops e palestras gratuitos como por exemplo o encontro com o tema “Arte Impressa”,  com Cristiano Kana e João Sanches. O diretor do Distrito Criativo do Porto e curador de design do Rua City Lab Daniel Kraichete contou que o happy-hour semanal deles já começava nessa semana:

“O Rua City Lab é um espaço permanente focado em economia criativa e colaborativa, que oferece coworking, formação e capacitação, eventos e galeria de arte. Seremos um anexo  ao Art Rua, com wifi, café e programação própria. Quando o Art Rua terminar, continuaremos abertos diariamente."

 

Espaço de coworking no Rua City Lab. (Imagem: Daniel Candian)

 

Pluralidade da arte urbana brasileira

A organização selecionou mais de trinta nomes que pintaram painéis e criaram instalações exclusivas para o Art Rua. Os curadores investiram em conteúdo regional. O paraense Sebá Tapajós é criador do projeto Street River, a primeira galeria fluvial do mundo. Nas palafitas ribeirinhas, ele celebra a cultura dos povos da mata, os caboclos, descendentes de índios e quilombolas. Para o festival, ele criou uma instalação inspirada no projeto. A paulistana Luna Buschinelli, artista apadrinhada pela dupla OSGEMEOS, apresenta em seu repertório personagens regionais, como cangaceiros, violeiros, entre outros.

Mural de Luna Buschi. (Imagem: Daniel Candian)

A fachada do galpão de 7.500 metros quadrados foi pintada pelos artistas Rimon Guimarães (PR) e Zeh Palito (SP), que juntos formam o projeto Cosmic Boys. O painel foi chamado de Utopia Tropical

Compõe o time, os artistas Alberto Pereira (RJ), Augusto Borges (RJ), Baba Jung (BH), Boleta (SP), Carlos Bobi (RJ), Clara Valente (BH), Enivo (SP), Erica Mizutani (SP), Felipe Guga (RJ), Flip (SP), Giovana Simões (CE), Kajaman (RJ), Loucos (SP), Marcelo Tche (SP), MZ (RJ),  Ninguém Dormi (SP), Prozak (SP), Rafael Hayashi (SP), Rafael Sliks (SP), Roberto Bieto (SP), Snez (FRA), Sosek (SP), Src (RJ), Thiago Alvim (BH). Thiago Goms (SP), Wark (RJ, 8-bitch project (RJ). Para esta edição, foram convidadas dez galerias para a feira de arte: A7MA, Full House, Quartoamado, Pico, Nuvem, Verve, entre outras. Nas últimas duas edições, o Mercado Rua movimentou quase um milhão de reais.

 

Tags:
COMPARTILHAR