AGUARDE
10 janeiro 2018

Brasil bate na trave no mundial pro Junior

Finn McGill e Vahine Fierro garantem o título mundial Pro Junior da World Surf League

Após um dia de folga, a prova que definiu o circuito mundial de surfe sub-18 da World Surf League voltou para água nessa quarta-feira, 10 de janeiro, em Bombo Beach, Kiama, Austrália, para definir os títulos feminino e masculino. 

Diante de ondas com cerca um metro e uma previsão nada animadora para os próximos dias, os organizadores realizaram uma maratona de 28 baterias até o havaiano Finn McGill e Vahine Fierro levantarem os maiores troféus.

Para chegar na finalissima, Finn atropelou o compatriota Barron Mamiya nas quartas de final e o brasileiro João Chianca na semi. Esse embate foi muito equilibrado e precisando de um 5.58 para reverter o placar, o surfista de Saquarema chegou perto com um 5.60. 

Embalado por esse resultado, Finn chegou confiante no duelo final e com uma nota 8 em sua primeira onda ele desestabilizou o japonês Joh Azuchi. Com um placar de 16.90 contra 11 pontos do japonês, Finn comemorou o título.

“Depois da lesão que sofri antes do campeonato, realmente não esperava um grande resultado no evento. Eu não achava que conseguiria surfar num ritmo muito alto e parecia apenas que estava tentando me curar da contusão. Tudo mudou em mim nas quartas de final e de repente comecei a me sentir melhor, surfando com mais fluidez e segurança. Quando cheguei na final, sabia que seria apenas mais uma bateria, então tinha que esperar as ondas boas para surfar o meu melhor e foi o que fiz”

Entre as mulheres, a competidora da Polinésia Francesa Vahine Fierro impediu uma dobradinha havainana no mundial Pro Junior da World Surf League de 2017. Summer Macedo não se encontrou na bateria decisiva e terminou o embate precisando de um 9.40 para reverter o resultado.

“Esta foi a primeira vez que eu participei do Mundial Pro Junior e ganhar o título para o Taiti é uma coisa incrível, especialmente depois de quase perder na semifinal.

Antes de vencer Summer, Vahine já tinha superado a americana Kirra Pinkerton e a brasileria Tainá Hinckell. A catarinense, que eliminou a defensora do título mundial Pro Junior Macy Callaghan nas quartas de final, ficou precisando de uma segunda nota para superar a virtual campeã.

Encerrado o evento que definiu o mundial Pro Junior de 2017, a World Surf League agora dá início as eliminatórias regionais para a prova de 2018

Tags:
COMPARTILHAR