AGUARDE
25 abril 2016

Brasileiros se destacam no Big Wave Awards

Yuri Soledade vence categoria de “Maior Onda” e Andrea Moller, de performance feminina

Realizado no último sábado, dia 23 de abril, na Califórnia, nos estados Unidos, o cultuado Big Wave Awards premiou os melhores surfistas de ondas grandes da temporada de 2015/16, e além da dupla brasileira, quem também se destacou foi o havaiano Shane Dorian, que faturou o prêmio de “Onda do Ano” e de “Melhor Performance”
 
Já virou tradição em meados do mês de abril a nata do big surf mundial se reunir no The Grove Theater, na cidade de Anaheim, na Califórnia, para celebração que premia e define os destaques da temporada do surfe de ondas grandes. E a deste ano não foi uma temporada qualquer. Em ano de El Niño, o inverno havaiano proporcionou momentos antológicos, dignos inclusive de quebra de recorde mundial.
O destaque da noite ficou por conta do havaiano Shane Dorian. O local de Kona, na Big Island, faturou a principal categoria da noite, a “Onda do Ano”. A conquista veio através de uma direita surfada em Jaws com maestria, onde o havaiano ainda teve a atitude de colocar pra dentro de um tubo gigante e sair sem grandes dificuldades. E pra selar de vez a incrível temporada do havaiano, ele ainda faturou o prêmio merecido de “Performance do Ano”.

Outro personagem que roubou a cena foi o brasileiro, radicado a mais de 15 anos no Havaí, Yuri Soledade. O baiano e um dos pioneiros do surfe em Jaws, venceu a categoria de “Maior Onda” com uma direita enorme surfada no dia 25 de fevereiro, em Jaws. Pela conquista, muito mais do que os vinte mil dólares de premiação, Yuri ganhou moral e um merecido reconhecimento após anos de dedicação a perigosa onda de Jaws.

O Brasil não parou por aí. Quem também tem motivos para comemorar é Andrea Moller. A brasileira que vive no Havaí desde 1998 faturou a categoria de “Melhor Performance Feminina” após uma temporada brilhante onde pegou altas ondas em Waimea e Jaws. “Esse prêmio significa muito para mim. Esse foi o melhor inverno, então vencer o prêmio de “Melhor Performance Feminina” e pegar algumas das maiores ondas de sempre é uma honra. Esse inverno foi diversão pura e foi também uma temporada que me elevou a um outro nível”, celebrou a brasileira.

Andrea Moller festejando o merecido prêmio - Foto: WSL

Outro destaque da noite foi o havaiano Aaron Gold. Aaron faturou o prêmio de maior onda na remada, desbancando o brasileiro Pedro Calado. A onda do havaiano foi avaliada ainda como a maior onda já surfada na remada e entrou no livro dos recordes. Segundo especialistas, a direita de Aaron tinha 63 pés, cerca de 21 metros de altura. Keala Kennely foi mais uma surfista que brilhou e fez história a ser a primeira mulher a faturar um título entre os homens. A havaiana faturou a categoria de “Melhor Tubo” com uma verdadeira caverna em Teahupoo.
A lista de vencedores foi completada ainda pelo italiano Nicollo Porcella, vencedor da “Pior Vaca” e o californiano Greg Long, que foi premiado com o título mundial de ondas grandes da temporada de 2015/16 da WSL.

Keala Kennely fazendo história - Foto: Tim Mckenna

Aaron Gold na maior onda da história surfada na remada - Foto: Brent Broza

Tags:
COMPARTILHAR