AGUARDE
04 julho 2018

Destaques norte-americanos no feriado da Independência dos EUA

Relembramos os surfistas yankees com nome de peso no cenário do esporte

É impossível falar de surfe norte-americano e não pensar em Kelly Slater. Com nada menos que onze títulos mundiais e inúmeras conquistas no mundo do surfe, o mito yankee dispensa apresentações. O surfista da Flórida fincou a bandeira dos Estados Unidos em um patamar que nenhum outro competidor chegou até hoje. O êxito invejável é fruto de anos de intensa dedicação ao esporte, do seu espírito competitivo e da sede por vitória. Ainda que ele esteja caminhando para uma justíssima aposentadoria, como ele próprio anunciou no início da semana que 2019 será sua última temporada como competidor do Tour de elite, seu legado inspirou e continua inspirando gerações. 

Se voltarmos mais um pouco no tempo, numa Era pré-Slater, encontramos o mestre do estilo Tom Curren. Apontado por muitos como o surfista que voltou a colocar os Estados Unidos no mapa do surfe mundial dominado por australianos na época, Curren ganhou não só um, mas três títulos mundiais nos anos 1985, 1986 e 1990. Californiano de Newport Beach e filho de Pat Curren, um dos pioneiros do surfe de ondas grandes, o esporte estava sem dúvidas no seu DNA. 

Terceiro norte-americano a conquistar um título de campeão do mundo de surfe, CJ Hobgood chegou ao auge da carreira em 2001. Sua história no esporte é pautada ao lado do irmão gêmeo Damien, com quem dividiu anos de rivalidade e vitórias na elite do esporte. Aposentados desde 2013 e 2015, respectivamente Damien e CJ passaram mais de 10 anos competindo na elite e puxaram o nível do esporte.

Se colocarmos uma lupa no Tour da elite em 2018, destacamos dois surfistas que vestem a lycra dos Estados Unidos. O primeiro deles é Kolohe Andino. Surfista de San Clemente e filho de ex-competidor do Tour, Kolohe cresceu nesse universo e seguiu os passos do pai em 2012, quando ingressou na elite aos 18 anos de idade. Kolohe foi um dos estreantes mais ricos da história e tinha todos os recursos para deslanchar na carreira, no entanto, até hoje bate na porta de diversos eventos com seu surfe acrobático.

O surfista que fecha a nossa seleção do Dia da Independência Americana também é de San Clemente. A nova estrela yankee Griffin Colapinto estreou no Tour dos sonhos esse ano, foi o autor da primeira nota 10 da temporada e ocupa a décima segunda posição do ranking. Com um surfe que se encaixa em qualquer condição, é só questão de tempo para ele levantar o primeiro troféu entre os melhores do mundo.

 

Tags:
COMPARTILHAR