AGUARDE
01 julho 2016

É apenas o começo

Prova de Puerto Escondido deu a largada para o BWT de 2016/17, que ainda tem sete etapas pela frente

Após o sucesso que foi a etapa de Puerto Escondido, no México, a expectativa agora gira em torno da entrada de um novo swell gigante no hemisfério sul, para que a outras provas que fazem parte do calendário do big wave world tour possam ser realizadas. Dois tradicionais picos de surfe da América do Sul estão a espera das ondulações, que tem até o dia 31 de agosto para atingirem a região de Punta Hermosa, no Perú e Pichilemo, no Chile. Na cinzenta e povoada cidade de Punta Hermosa, está localizada a onda de Pico Alto, famosa por suas paredes volumosas, que podem atingir facilmente a casa dos dez metros. A bancada fica situada a cerca de um quilômetro de distância das areias de Playa Norte e exigi uma longa remada nas águas geladas do Pacífico Sul. Em 2014 aconteceu uma etapa do Big Wave Tour e na ocasião quem levou a melhor foi o havaiano Makuakai Hoffman.

Pico Alto, no Perú, é um dos destinos do circuito BWT - Foto: Divulgação

Já em Pichilemo, no Chile, as esquerdas de Punta de Lobos podem oferecer ótimas condições para surfistas intermediários, mas quando um poderoso swell de Sul ou Sudoeste chega, é melhor estar preparado, porque ondas gigantes podem transformar um pico num pesadelo ou no paraíso para os mais destemidos. As ondas quebram de frente para duas pedras enormes, chamadas de Las Tetas, é uma atitude precipitada ou um drop mal feito pode custar caro. Assim como em Pico Alto, o havaiano Makua Hoffman foi o último a vencer por lá.

Makuakai Hoffman é o defensor do título do evento em Punta Lobos - Foto: WSL

Com o término da janela de espera para a realização dos eventos do hemisfério sul no dia 31 de agosto, um mês e meio depois começa o período para os campeonatos do hemisfério norte. Quatro lugares famosos pela turma mais atirada fazem parte do calendário e talvez o mais desafiador será o desafio de Nazaré, em Portugal. Conhecido por receber ondas gigantescas e difíceis de serem medidas, o pico é mais explorado pela galera do surfe rebocado e remar naquelas ondas ainda é novidade. Além de Nazaré, Nelscott Reef, Punta Galea, Jaws e Todos os Santos completam o calendário.

As direitas de Nelscott Reef colocaram a cidade de Oregon, no Estados Unidos no mapa do surfe de ondas grandes, formando uma comunidade de surfistas atirados a destemidos. Outro lugar conhecido por suas direitas grandes e volumosas é Punta Galea. Localizada no País Basco, no limite entre Getxo e Sopelana, as ondas já sediaram eventos importantes do BWT e o último deles aconteceu em dezembro de 2014, quando o norte-americano Nic Lamb levou a melhor.

Norte-americano Ken Collins num dia de altas ondas em Punta Galea - Foto: WSL

O calendário é formado ainda por Jaws, no Havaí e Todos os Santos, no México. Jaws é a onda do momento. O surfista que quer se destacar e buscar a maior onda de todos os tempos surfada na remada, lá é o lugar. Momentos emblemáticos já foram presenciados e em 2015, pela primeira vez na história o temido pico havaiano recebeu uma competição do Big Wave Tour. Ondas enormes e um vento forte marcaram o evento vencido pelo surfista da casa, Billy Kemper. Um dos lugares mais constantes quando o assunto são ondas enormes, lá é quase certo de rolar campeonato, visto que a janela de espera vai do dia 15 de outubro a 28 de fevereiro, praticamente todo o inverno havaiano.

Shane Dorian num dia épico em Jaws - Foto: Divulgação

Todos os Santos, no México é outro lugar que recebe grandes ondulações com freqüência, e apesar da última edição do BWT por lá não ter sido tão animadora, o pico é muito respeitado por toda a comunidade de ondas grandes. A temporada mal começou e já mostrou que promete ser animadora. Agora é esperar e torcer para que Netuno colabore e mande ondas enormes para os surfistas estenderem ainda mais os limites do surfe na remada.

Tags:
COMPARTILHAR