AGUARDE
25 março 2015

Escultor brasileiro é comparado a Ron Mueck

Conheça o trabalho do hiperrealista, Giovani Caramello.

Mais um brasileiro está se destacando no cenário artístico. Giovani Caramello, é um escultor de 24 anos e natural de Santo André. O jovem vem dando o que falar porque viaja em traços hiper realistas e tem levado a muitas comparações com as obras do famoso escultor australiano Ron Mueck, que levou mais de 400 mil pessoas ao MAM no Rio de Janeiro para sua exposição.

As obras do brasileiro possuem em média 0,80cm e reproduzem fielmente seres humanos e suas minuciosidades, como marcas de expressões faciais, barbas, cílios, sardas olhos, poros e até sentimentos e emoções.

Minhas esculturas são como palavras, me expresso através delas.

 

Giovani começou sua carreira de escultor e como modelador em 3D em 2010, e nunca mais largou a arte. Ele utiliza silicone, resina, tintas, fibra de vidro e moldes para fazer seu trabalho. São necessárias horas de estudos e testes para chegar ao nível de detalhe que o artista procura; ainda que Giovani garanta que o estudo é essencial, a poesia e o conceito da obra são mais importantes que tudo isso.

Uma de suas obras chama-se “Sozinho” e retrata um pré-adolescente ruivo, com sardas, olhos claros e tristes, vestido com uma capa do Batman.

"Sozinho". Foto: Divulgação

Fale um pouco sobre sua obra “sozinho”:

A obra "Sozinho" representa um menino entrando na adolescência. Ele veste uma capa que simboliza a infância (passado), e o olhar distante dele simboliza o "futuro". A obra retrata um momento de transição.

Como se sente ao ser comparado ao Ron Mueck:

Não faço jus a comparação, pois não estou nem perto de fazer o que ele faz tecnicamente. Mas acho bacana ser comparado com um dos caras que mais me influenciam e pretendo me "desconectar" do nome dele com o passar do tempo. Quero fazer o meu próprio caminho.

Quem são suas maiores influências nesse meio:

Sam Jinks, Evan Penny, Ron Mueck e com certeza os antigos mestres, Bernini, Michelangelo, Carpeaux, etc.

Como se faz esse tipo de trabalho e quanto tempo leva:

Leva em média dois meses, dependendo do tamanho e complexidade da obra. Tudo começa na argila com a modelagem, depois é feito um molde de silicone e a partir desse molde é feita uma cópia em resina com fibra de vidro ou de silicone mesmo. Depois é a parte da pintura e acabamentos.

Sempre desejou isso ou foi algo que nasceu repentinamente?

Sempre apreciei muito a escultura hiper realista, mas a coragem para começar a fazer surgiu recentemente, no ano passado.

As pessoas sempre te apoiaram ou foi um pouco difícil aceitarem? Porque viver de arte não é fácil.

Tenho a sorte de ter uma família que sempre me apoiou e sempre me apoia. Claro que todos ficam com um pé atrás quando se trata de arte, inclusive eu mesmo no início tinha dúvidas se eu realmente conseguiria seguir esse caminho, fazer uma carreira, viver de arte. Aos poucos, parece que está tudo dando certo e vou continuar nessa vertente.

Como é a relação da escultura com a anatomia?

Eu diria que a anatomia é a base da escultura, sem ela é impossível retratar uma pessoa naturalmente. É de extrema importância saber como são os ossos, os músculos, como eles reagem e deformam de acordo com o movimento, etc. Michelangelo esculpiu o David com tanta naturalidade por conta do intenso estudo de anatomia, nessa época a única forma de estudar era dissecando cadáveres, hoje em dia temos livros, o que ajuda bastante!

Essa é a sua primeira exposição? Quais são seus planos futuros?

Minha primeira exposição foi em outubro do ano passado (2014), no Museu de Santo André. Após a exposição, as obras que não foram vendidas foram para o acervo da OMA Galeria, aonde estão até hoje, apesar de, hoje, estarem todas vendidas. O acervo é aberto ao público. Meu plano principal é produzir e realizar uma nova exposição, no momento já estou com algumas obras em andamento.

Como você se descreveria ou descreveria as suas esculturas em uma frase?

Sou tímido, falo pouco. Minhas esculturas são como palavras, me expresso através delas.

Tags:
COMPARTILHAR