AGUARDE
31 março 2016

Falta de pagamento faz WSL cancelar QS 10000 de Saquarema

Após perder o patrocinador principal, etapa 10000 de Trestles também foi cancelada

Filipe Toledo campeão do QS de Trestles em 2015.(Foto: divulgação)

Filipe Toledo campeão do QS de Trestles em 2015.(Foto: divulgação)

Apesar do cancelamento de duas das mais tradicionais etapas realizadas na América do Sul, que fazem parte da perna brasileira, a WSL South America ainda tenta manter um calendário consistente para os surfistas do QS em 2016. Uma novidade já confirmada é o Praia do Forte Pro, na Bahia, que conta com o ex-surfista profissional, Felipe Freitas como um dos organizadores. O evento, QS 1500 masculino e feminino, foi marcado para a última semana de abril, do dia 25 ao dia 1 de maio na Praia do Forte, litoral norte do estado. O novo General Manager da WSL South America, Xandi Fontes, lamenta a perda dos outros eventos para 2016.

Não mediremos esforços para retornar com o QS 10000 de Saquarema no ano que vem, como um evento com 100% de responsabilidade, organização e administração da WSL South America.

Xandi foi contratado para trabalhar junto com Roberto Perdigão na administração da WSL South America. O catarinense atuou por muitos anos como juiz no CT, depois presidiu a Federação Catarinense de Surf e era o detentor da licença de realização da etapa brasileira do CT, junto com Teco Padaratz, desde 2003. Agora, sua principal meta é fortalecer o calendário de provas no Brasil e em outros países da América do Sul. Roberto Perdigão também comenta o cancelamento do evento de Saquarema:

Com certeza, a saída de Saquarema do calendário mundial será bastante sentida pelos surfistas, por conta da excelente qualidade das ondas da Praia de Itaúna e, principalmente, pelos preciosos pontos que este QS 10000 oferecia no ranking mundial.

Em outras edições do QS de Saquarema, seus campeões conseguiram alcançar a classificação para o CT do ano seguinte, como foi o caso do paulista Alex Ribeiro, que venceu o campeonato em 2015 e que hoje está no CT. Esse é um dos exemplos que mostra a importância deste campeonato. Além desse, os surfistas ainda perderam a etapa de Trestles, o que fará muita falta para todos que buscam vagas entre os top 10 do QS para conseguir a classificação para a elite em 2017.

Alex Ribeiro garantiu 10000 pontos no ranking de 2015. (Foto: WSL)

Alex Ribeiro garantiu 10000 pontos no ranking de 2015. (Foto: WSL)

O Praia do Forte Pro nasceu da união de dois ex-surfistas profissionais, o baiano Felipe Freitas e a catarinense Marina Werneck, e marca a volta do Brasil no calendário do QS feminino. As ondas do pico, que fica na cidade de Salvador, estão entre as cinco melhores do Brasil, oferecendo aos competidores do circuito de qualificação um bom palco para a disputa dos 1500 pontos. Para os surfistas da América do Sul, o evento vale mais 1.000 pontos para o ranking regional que define o campeão sul-americano. A disputa do título começou com o QS 1500 na Argentina, que teve como campeão o brasileiro Flavio Nakagima.

A WSL South America ainda está trabalhando para realizar mais sete provas do Circuito de Qualificação. No total, seriam mais quatro etapas novas e três que já são tradicionais do circuito: o QS 1500 nas pesadas ondas de El Gringo no Chile, o QS 6000 de Florianópolis e o QS 10000 de Maresias. Entre esses dois eventos, a tentativa é realizar uma nova etapa do QS 3000 masculina e feminina no Ceará, para ocupar a data do cancelado Surf Eco Festival da Bahia.

Tags:
COMPARTILHAR