AGUARDE
08 setembro 2016

Festival "Visões Periféricas" chega à 10ª edição

O documentarista Silvio Tendler é um dos homenageados do evento

Começou na segunda-feira, dia 5 de setembro, a 10ª edição do festival “Visões Periféricas”. Com a intenção de fugir do olhar comum, o evento tem como papel principal apresentar a produção audiovisual das periferias brasileiras. Em homenagem aos dez anos do festival, quatro cineastas são homenageados: Adélia Sampaio, Filó Filho, Sérgio Péo e o grande Silvio Tendler. O Woohoo marcou presença no dia da abertura do festival e você confere aqui embaixo o que rolou por lá.

Divida em quatro mostras competitivas e duas informativas (não competitivas), a ideia do “Visões Periféricas” é dar também visibilidade ao novos realizadores da cena audiovisual brasileira, priorizando trabalhos experimentais e alternativos. Temáticas LGBT, feminina, negra, indígena, da comunidade, da rua, do campo… Tudo cabe no leque de visões periféricas sobre o nosso planeta. Além das mostras, debates com diretores fazem parte do festival que visa estimular a reflexão entre o audiovisual brasileiro a e periferia.

As mostras

Visorama - Filmes de até 30 minutos produzidos por alunos de oficinas, escolas livres e projetos de formação em audiovisual de todo o país.

Fronteiras Imaginárias - Produções de até 30 minutos produzidos por realizadores independentes e coletivos de audiovisual de diferentes estados do Brasil.

Cinema da Gema - Panorama de filmes realizados por diretores cariocas e fluminenses mostrando o que de mais inovador tem se produzido no Rio de Janeiro.

Tudojuntoemisturado - Filmes de até cinco minutos produzidos por meio de dispositivos móveis e em formatos inovadores como remixagens, mashups e videoclipes. Os filmes desta mostra serão exibidos e receberão votação do público pelo site www.visoesperifericas.org.br.

Panorâmica (não competitiva) - Filmes com duração de pelo menos 40 minutos (médias e longa metragens).

Mostras Homenagem (não competitiva) - Filmes dirigidos pelos diretores homenageados.

Os homenageados

Esse ano o festival “Visões Periféricas” resolveu homenagear quatro cineastas considerados “desbravadores” o cinema nacional. Vamos conhecer um pouquinho de cada um deles?

Adélia Sampaio

Embora muita gente queria apagar seu nome na história do cinema nacional, Adélia Sampio marcou a vida da sétima arte brasileira. (Foto: Divulgação)

Embora muita gente queria apagar seu nome na história do cinema nacional, Adélia Sampio marcou a vida da sétima arte brasileira. (Foto: Divulgação)

 

 

 

Primeira mulher negra a dirigir um filme de longa metragem no Brasil, Adélia Sampaio nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, mas morou no Rio de Janeiro desde os 12 anos de idade. Sua história no mundo cinematográfico começou no final dos anos 60, quando começou a trabalhar na distribuidora DIFILM. Passou por diversas áreas da sétima arte: produção; produção executiva; maquiagem; assistência e direção.

 

 

 

 

 

 

Filó Filho

Produtor audiovisual e editor do site Cultne (maior acervo digital de cultura negra da América Latina), Filó Filho atua no cenário cultural desde a década de 1960. Formado em Engenharia, ainda em 1972, passou a integrar a direção do Clube Renascença, lugar símbolo do soul na época. Sua relação com a música se revela em todo o seu extenso trabalho.

 

Sérgio Péo

Um dos cineastas homenageados, Sérgio Péo também é urbanista. (Foto: Divulgação)

Um dos cineastas homenageados, Sérgio Péo também é urbanista. (Foto: Divulgação)

 

 

 

Urbanista e cineasta, Sérgio Péo sempre usou o cinema como ferramenta para questionar a urbanidade e as condições habitacionais da população. Em seu premiado filme Rocinha Brasil 77, os movimentos da câmera se assimilam aos caminhos tortuosos e sinuosos da favela. Iniciou sua carreira na década de 1970 e fez uma série de filmes em Super-8 e 16 mm.

 

Silvio Tendler

O grande Silvio Tendler dispensa comentários. Considerado um dos maiores documentaristas brasileiros vivos, ele já produziu e dirigiu mais 70 filmes entre curtas, médias e longas-metragens, além de 12 séries. Já são 48 anos dedicados ao cinema. Silvio Tendler assina clássicos como “Os anos JK”, “Encontro com Milton Santos” e “Jango”.

Ele fala do passado para que a gente pense o presente

Serviço

Festival Visões Periféricas – 10 anos

Dias 05 a 12 de setembro (Oi Futuro Ipanema)
Dias 23 a 25 de setembro (Centro Cultural da Justiça Federal)
Entrada gratuita
Confira a programação completa e a classificação indicativa em www.imaginariodigital.org.br

Tags:
COMPARTILHAR