AGUARDE
07 fevereiro 2019

Jack Robinson começa bem o QS 2019

Australiano vence o Pipe Pro e afirma estar na hora dele se classificar para a elite

Apesar das ondas inconstantes, o Pipe Pro 2019 chegou ao fim com vários momentos memoráveis. A ideia dos organizadores não era encerrar a competição na terça-feira, 5 de fevereiro, mas diante de uma previsão nada animadora para o resto da semana e com os tubos abrindo, a turma que organiza o evento mudou de ideia e realizou as 15 baterias restantes.

O fato de surfar Pipeline sem crowd atraiu muita gente para a prova, mas entre os competidores tinha surfista como o australiano Jack Robinson querendo mais e sonhando com a classificação para o Championship Tour.

Quero estar no World Tour, tem muito trabalho para chegar lá, mas acho que chegou a hora.

E foi embalado por essa urgência de conseguir bons resultados, que o australiano Jack Robinson seguiu com tudo até a finalíssima. Numa decisão de poucas ondas surfadas, o aussie foi preciso e com um 7 e um 7.87 ele garantiu a primeira colocação no embate que deixou o havaiano Barron Mamiya no segundo posto, o neozelandesa Reed Heazlewood na terceira colocação e o americano Balaram Stacy no quarto lugar.

 

 

Os dois primeiros colocados da competição não brilharam somente na bateria final, Jack Robinson e Barron Mamiya também marcaram presença na galeria de notas dez do Pipe Pro. Enquanto o virtual campeão da disputa quase alcançou a perfeição ao somar um 10 unanime e um 9.57 na quinta fase, Mamiya conseguiu um dez na segunda bateria da semifinal.

Esse é o melhor resultado de Mamiya na WSL até o momento. Foto: © WSL / Keoki

Até domingo a divisão de acesso ao CT masculino realiza um evento de nível 1500 em Tenerife, nas Ilhas Canárias,  e depois é a vez do circo do QS desembarcar no Brasil, mais precisamente em Fernando de Noronha onde rola do QS 6 mil entre 19/ e 24 de fevereiro.

 

Tags:
COMPARTILHAR