AGUARDE
21 março 2018

Kelly segue no estaleiro

11 vezes campeão mundial anuncia que não vai competir a 2ª etapa do CT e sul-africano assume sua vaga

Após desistir de competir a prova da Gold Coast, na Austrália, depois do início do evento, Kelly Slater dessa vez anunciou com antecedência, que também não vai correr o CT de Bells Beach. O maior surfista de todos os tempos mantém o discurso de que a lesão que sofreu em julho de 2017 ainda prejudica sua performance dentro d’água.

O americano, que quebrou o pé durante uma sessão de freesurf em Jeffrey’s Bay, na África do Sul, voltou a competir oficialmente no último evento da temporada passada, o de Pipeline, no Havaí. Nessa disputa, mesmo sem nenhuma atuação surpreendente, Kelly chegou na quinta rodada e garantiu o nono posto.

Ausente em cinco dos 11 eventos realizados em 2017, Kelly ganhou a vaga de lesionado da World Surf League e por isso segue fazendo parte dos melhores surfistas do planeta.

Na primeira etapa do tour 2018, Kelly, que não foi visto na Austrália durante o evento, só avisou que não ia competir depois que a prova já tinha começado. Com isso, a Wolrd Surf League chamou as pressas, o sul-africano Michael February, primeiro alternate do CT, para preencher a vaga de Kelly na repescagem do CT da Gold.

Agora, faltando uma semana para a abertura do evento de Bells Beach, Kelly Slater já anunciou que também não vai competir a segunda parada do ano. O surfista disse que vai usar esse período de recuperação para repensar a carreira e a vida.

Voltarei na hora certa.


Kelly Slater foi eliminado na terceira rodada no evento de Bells de 2017. Foto: WSL / Ed Sloane

Uma matéria publicada no site australiano Stab especulou que Kelly só vai voltar a competir em maio na prova de Keramas, na Indonésia. A justificativa para essa afirmação de acordo com a publicação é  que os quatro primeiros eventos do ano (Gold Coast, Bells Beach, Margaret River e Rio de Janeiro) não possuem ondas tão interessantes, o que muda de figura com os desafios em Keramas, Jeffrey’s Bay, Taiti e é claro, a piscina de ondas, projeto idealizado pelo americano.

Ciente de que estrearia no CT ainda nesse ano, Michael February teve a realização desse sonho concretizado por um caminho diferente com a decisão de Kelly, já que o tricampeão mundial Mick Fanning avisou desde antes do início da temporada que Bells Beach iria marcar sua aposentadoria das competições, o que garantiria a entrada de Michael na elite do surfe mundial na prova de Margaret River.

É uma maneira estranha de entrar no CT, é cafona, mas tudo acontece por uma razão.

 

O sul-africano terminou o ranking do QS 2017 na 15 posição. Foto: WSL / Sloane

 
Tags:
COMPARTILHAR