AGUARDE
17 abril 2019

Krystian Kymerson no G-10

O primeiro semestre ainda não acabou e a briga pelas 10 vagas para CT 2020 está cada vez mais eletrizante. Até o momento dezoito etapas do QS foram realizadas. A última delas foi o Santa Cruz Pro, em Portugal, que terminou com a vitória de Frederico Morais. Com o resultado o português subiu 100 posições no ranking e agora ocupa a 24ª colocação. O francês Jorgann Couzinet, terceiro colocado em Santa Cruz, subiu 15 posições e encostou no G-10 com 5.180 pontos. Quem também subiu no ranking após o evento de Portugal foi capixaba Krystian Kymerson que agora ocupa a décima colocação no ranking com 5.210 pontos. Acima de Krystian aparece o japonês Hiroto Ohhara, que participou apenas de três provas do QS nessa temporada e acumula 5.250 pontos. 

Frederico Morais subiu 100 posições no ranking após a vitória em Santa Cruz/ Foto: WSL

No oitavo posto está o francês Gatien Delahaye. O campeão do Copa Tubos, realizado em Señoritas, no Peru, tem 5.710 pontos. Já o japonês Reu Inaba tem 10 pontos a mais que Gatien e aparece na sétima posição. Seu melhor resultado nessa temporada foi o quinto lugar no Pro Contest em Fernando de Noronha.  O peruano Miguel Tudela também tem um quinto lugar numa prova de nível 6 mil como melhor resultado e está ocupando a sexta colocação. Enquanto isso o australiano Jordan Lawler, campeão do Vissla Sydney Surf Pro, aparece na quinta posição com 7.910 pontos. Mas vale destacar que ele tem quatro resultados fracos que devem ser descartados com facilidade nos próximos meses. 

Jordan Lawler é o quinto do ranking / Foto: WSL

O quarto colocado na lista que classifica os 10 primeiros para o CT 2020 é o australiano Jack Robinson. O campeão do Volcom Pipe Pro tem  8.070 pontos na fatura. Acima dele está Alex Ribeiro com 9.935 pontos. Vencedor do Burton Automotive Pro, prova de nível 6.000 que rolou na Austrália, o paulista luta para retornar a elite.  O australiano Matt Banting está na mesma situação de Alex. Embalado pelo sonho de voltar para a elite, o surfista de Nova Gales do Sul ficou entre os três primeiros nas quatro etapas do QS que participou nessa temporada e já acumula 10.350 pontos. Já o brasileiro Jadson André, que em 2018 passou um sufoco para retornar a elite, já está praticamente garantido para o ano que vem através do QS. Com 15 mil pontos acumulados três eventos, o potiguar é líder isolado do circuito de acesso. 

 

 

Foto da capa: WSL

Tags:
COMPARTILHAR