AGUARDE
09 março 2016

Liniker veio pra ficar

Conheça o dono da nova voz do soul brasileiro

Seu nome é uma homenagem a um grande jogador de futebol e que ele se tornasse um era o sonho de boa parte da família, mas aos 16 anos Liniker se apaixonou pela música e mergulhou num mar de possibilidades. Em entrevista à apresentadora Veridiana Bressane, que será exibida em breve no Papo Reto, o jovem cantor de 20 anos falou sobre o sucesso do EP Cru, homosexualidade, empoderamento e muito mais.

Você vem de uma família de músicos e com 16 anos você já escrevia suas músicas né?

Comecei a escrever com 16 anos, mas eu já fazia teatro e sapateado. Esse lance da escrita veio quando eu quis aprender a tocar violão. Eu pegava letras no cifra club para treinar e as minhas composições foram aparecendo. Além do mais, cresci ouvindo samba em casa, minha mãe dançando samba rock e meus tios compondo, não tinha como não fazer música.

São apenas 4 anos no meio da música. Como você se enxergou nesses anos para se colocar hoje como o Liniker artista?

Antes eu tinha muita vergonha de mostrar minhas coisas em casa, todos os meus tios músicos, uma mãe coruja Ter isso em casa me trouxe muita coisa, mas acho que o que meu deu mais força pro meu trabalho seguir de uma forma verdadeira foi ter feito a Escola Livre de Teatro em Santo André, que me trouxe uma base artística num momento muito importante.

O EP Cru, lançado em 2015, estourou em pouquíssimo tempo. Fala um pouco sobre a composição desse projeto.

O Cru é como se eu tivesse abrindo uma caixinha de carta que eu nunca mandei para os boys. Sempre tive amor platônico, estava sempre escrevendo, aquela coisa sofredora, canceriana E aí eu pensei: preciso colocar um material meu, que sobre sobre o que sinto, que fale de amor. As relações estão soltas e eu estava sentindo falta de uma coisa mais concreta.

Quanto tempo durou o processo de escolhas das músicas até o lançamento?

Pensamos nos arranjos em dezembro de 2014, gravamos em julho de 2015 e lançamos em outubro. E aí quando lançou foi o boom que foi, em uma semana a gente já tinha 1 milhão de visualizações. O segundo país que mais ouvia a gente era a Polônia.

Liniker e os Caramelows / Foto: Dilvulgação

É muito legal a sua autenticidade, a gente vê um mundo tão massificado e você tem a sua originalidade. Imagino que você deve ter sofrido diversos tipos de preconceito. Como você se colocou para assumir o que você é e o que você quer trazer para o mundo?

Acho que vem muito de uma questão de emporedamento. Tá tudo muito aí, mas você se questiona: Quem eu sou no mundo? O que quero mostrar enquanto ser humano? Enquanto quem eu sou de verdade? Quando eu vesti a minha primeira saia eu pensei “É isso Desse jeito eu estou liberto comigo, eu posso passar um batom, usar meus brincos, um rímel”. Então vem muito de se empoderar e me colocar no mundo pra ninguém vir e achar que com qualquer palavra pode me derrubar. Eu quero mostrar no palco quem eu sou na vida real e mostrar para as pessoas que elas podem ser o que quiserem.

Eu quero mostrar no palco quem eu sou na vida real e mostrar para as pessoas que elas podem ser o que quiserem

De batom e brincos, Liniker estourou na web no final de 2015

Agenda de shows:

10/03 - Bar Opinião - Porto Alegre (RS)

11/03 - SESC Sorocaba - Sorocaba (SP)

12/03 - Music Hall BH - Belo Horizonte (MG)

Tags:
COMPARTILHAR