AGUARDE
10 julho 2015

O novo desafio de Alice Braga

A brasileira radicada nos EUA fala sobre o filme “Muitos Homens num só”

A paulista Alice Braga esteve no Brasil recentemente para divulgar o longa “Muitos Homens Num Só”. O filme de época, baseado na obra de João do Rio, grande escritor brasileiro do século XX, foi uma experiência inédita para a atriz, que contabiliza mais de vinte obras cinematográficas no currículo. O trabalho também proporcionou a realização de um desejo antigo, o de contracenar com Vladimir Brichta.

Personagem em “Muitos homens num só”

A Eva é travada. Existe o desejo de viver, mas está naquela caixinha, numa época que era difícil para mulher. No caso dela, aquele casamento prometido, sendo um pouco obrigada a ser esposa que fica em casa.

Primeiro filme de época

Foi muito bacana porque eu nunca tinha feito. Pra um ator é divertido porque você tem que achar um corpo, achar um forma diferente de você se portar, de você falar Apesar da gente não querer fazer aquela coisa muito clássica, a gente também teve que tomar cuidado para não cair no contemporâneo. Eu tentei muito entender isso, brincar com isso. Só de usar o espartilho já dava uma postura diferente.

 

Muitos Homens Num Só - Foto: Divulgação

Homenagem à João do Rio

O filme tem uma qualidade de contar um pouco o João do Rio, de homenagear um escritor que tem uma importância tão grande na literatura, mesmo não sendo tão conhecido. Ele foi um dos primeiros a escrever sobre a vida cotidiana, popular. Foi um cronista maravilhoso. Então é uma honra poder participar e é uma homenagem muito linda que a Mini Kerti fez.

Trabalho inédito com Vladimir Brichta

Eu tinha muita vontade de trabalhar com ele. Eu era muito fã dele desde a época que ele fez uma peça do João Falcão, chamada “A máquina”. E aí o desejo de trabalhar com ele, numa história como essa de “Muitos homens num só” me pareceu encantador, então foi um encontro.

 

Vladimir Brichta e Alice Braga durante as filmagens - Foto: Divulgação

Brasil x Estados Unidos

Eu fico indo e vindo. Eu adoro trabalhar no Brasil, sou daqui e é pra cá que eu volto. Então eu fico um pouco nos dois universos. Ter a chance de ir, conhecer universos novos e trabalhar com pessoas diferentes é muito legal. E voltar pra casa é muito bom para me alimentar do que está sendo feito aqui, que é tão rico.

Tags:
COMPARTILHAR