AGUARDE
10 setembro 2019

Paulo Moura bota pra baixo e desbanca favoritos em Itacoatiara

Após quase dois meses de espera a direção de prova do Itacoatiara Big Wave deu o sinal verde! As bombas estavam a caminho e big riders de todo o Brasil desembarcaram na praia de Itacoatiara, em Niterói, no Rio de Janeiro, na sexta-feira 06 de setembro. As ondas de 10 pés e formação regular deixaram as baterias ainda mais desafiadoras, já que além dos adversários, cada surfista travou uma batalha com seu condicionamento físico e emocional. O formato da competição foi o mesmo do BWT, as duas melhores ondas entravam para o somatório, sendo que a maior nota era dobrada. Sendo assim o surfista que tinha a melhor onda do embate levava uma certa vantagem.

Pela primeira vez na história do surfe brasileiro as mulheres disputaram um evento de ondas grandes em território nacional. A bateria inédita foi mulher a mulher entre a paranaense Michaela Fregonese e a surfista local Raquel Heckert. Ambas superaram seus limites, mas quem remou na maior da série foi a ex-integrante do Super Surf Michaela Fregonese. Ao sairem da água as mulheres foram aplaudidas de pé pelo público presente. 

A final masculina reuniu seis gigantes do surfe brasileiro. Rodrigo Koxa, Matheus Faria e Felipe Cesarano não conseguiram repetir as performances nas fases anteriores e ficaram na posição de coadjuvantes. O protagonismo mesmo ficou com Lucas Chumbo, que liderou o confronto em alguns momentos, mas finalizou em terceiro; Pedro Callado,  que pegou boas e arriscou tudo na última onda, mas acabou no segundo posto e Paulo Moura, ex-integrante do CT, que usou toda sua experiência para dropar as melhores da bateria e fechou a fatura ao botar pra dentro de um tubo profundo no minuto final. 

 

Fotos: Divulgação

Tags:
COMPARTILHAR