AGUARDE
27 julho 2016

Prêmio Shell revela primeiros indicados de 2016

Icônica premiação do teatro brasileiro anuncia os indicados do 1º semestre

O prêmio mais cobiçado do teatro brasileiro revelou, no último dia 18 de julho, a lista de indicados referentes ao primeiro semestre de 2016 para as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. A 29ª edição do Prêmio Shell, que terá o resultado conhecido em março de 2017, terá sua lista completa divulgada no final desse ano, com os destaques dos espetáculos lançados entre julho e dezembro.

"Os Sonhadores" é líder de indicações no Rio de Janeiro junto com o espetáculo "Auê". (Imagem: divulgação)

"Os Sonhadores" é líder de indicações no Rio de Janeiro junto com o espetáculo "Auê". (Imagem: divulgação)

Cada vencedor receberá a quantia de R$ 8 mil, além de uma escultura dourada no formato de uma concha, símbolo do patrocinador oficial do evento que é realizado desde 1989. No Rio de Janeiro, a relação com nove categorias deu destaque para duas produções, que tiveram três indicações cada: o espetáculo "Os Sonhadores", baseado no romance “The dreamers”, do poeta e jornalista escocês Gilbert Adair, e “Auê”, que mistura teatro, música, dança e performance para falar sobre amor, paixões e liberdade.

Em São Paulo, o júri - composto por Carlos Colabore, Evaristo Martins de Azevedo, Lucia Camargo, Luiz Amorim e Renata Melo - deu destaque para “Cabras - Cabeças que Voam, Cabeças que rolam” e “A Tragédia Latino-Americana”, ambas também com três indicações. O primeiro, espetáculo que retrata o universo do cangaço, entrou para a fase final das categorias figurino, iluminação e música, enquanto a peça que discute as heranças da colonização em nosso continente disputa commúsica, direção e cenário.

Rio de Janeiro

  • Autor:

    Marcia Zanelatto, Jô Bilac e Pedro Kosovski por "Fatal"

    Diogo Liberano por "Os sonhadores"

  • Direção:

    Duda Maia por "Auê"

    Vinícius Arneiro por "Os sonhadores"

  • Ator:

    Marcelo Escorel por "Vaidades e tolices"

    Matheus Nachtergaele por "Processo de conscerto do desejo"

  • Atriz:

    Adassa Martins por "Se eu fosse Iracema"

    Debora Bloch por "Os realistas"

    Helena Varvaki por "A outra casa"

  • Cenário:

    Adriano Guimarães, Fernando Guimarães e Ismael

    Monticelli por " Hamlet - processo de revelação"

    Aurora dos Campos por "Os sonhadores"

  • Figurino:

    Kika Lopes por "Gota D'Água (a seco)"

    Luiza Fradin por " Se eu fosse Iracema"

  • Iluminação:

    Irmãos Fernanda e Tiago Mantovani por "Missa para Clarice"

    Renato Machado por "Auê"

  • Música:

    Alfredo Del-Penho e Beto Lemos por "Auê"

    Pedro Luís por "Gota D'Água (a seco)"

  • Inovação:

    Fernando Libonati e Marco Nanini, pelo espírito empreendedor de investir no próprio setor teatral através do conjunto de iniciativas Galpão e Garagem Gamboa, Reduto e Hospedaria.


São Paulo

  • Autor:

    Leando Cortez por “Sala dos professores”

    Rudinei Borges por “Dezuó, breviário das águas”

  • Direção:

    Felipe Hirsh por “A tragédia latino-americana”

    Marco Antônio Pâmio por “Playground”

  • Ator:

    Mateus Monteiro por “Playground”

    Pedro Vieira por “Eu tenho tudo”

  • Atriz:

    Miriam Mehler por “Fora do mundo”

    Regiane Alves por “Para tão longo amor”

  • Cenário:

    Daniela Thomas e Felipe Tassara por “A Tragédia latino-americana”

    Telumi Hellen por “Dezuó, breviário das águas”

  • Figurino:

    Gabriel Villela por “Rainhas do Orinoco”

    Márcio Medina por “Cabras - cabeças que voam, cabeças que rolam”

  • Iluminação:

    Aline Santine por “Cabras - cabeças que voam, cabeças que rolam”

    Caetano Vilela por “As benevolentes”

  • Música:

    Arthur de Faria por “A Tragédia latino-americana”

    Dr. Morris por “Cabras - cabeças que voam, cabeças que rolam”

  • Inovação:

    Centro Cultural São Paulo pelo estímulo à experimentação de novas formas cênicas, dramatúrgicas e de produção por meio do projeto "Mostra de Dramaturgia em Pequenos Formatos Cênicos".


Jurados

Rio de Janeiro:

  • Ana Achcar (atriz, professora e pesquisadora teatral)
  • Ana Luisa Lima (professora, produtora e gestora cultural)
  • Bia Junqueira (cenógrafa, curadora e diretora de arte)
  • Macksen Luiz (crítico teatral)
  • Moacir Chaves (diretor de teatro)

São Paulo:

  • Carlos Eduardo Colabone (cenógrafo)
  • Evaristo Martins de Azevedo (crítico de arte)
  • Lucia Camargo (jornalista e curadora)
  • Luiz Amorim (ator, diretor e gestor em produção cultural)
  • Renata Melo (diretora de teatro e dança e coreógrafa)

Tags:
COMPARTILHAR