AGUARDE
13 fevereiro 2015

Sergio Luiz em ação no Rio de Janeiro

Confira a performance e dicas do bodyboarder sobre os melhores picos da Cidade Maravilhosa

Rio de janeiro, Cidade Maravilhosa, com ondas maravilhosas.

Com uma vasta costa oferecendo ondas para todos os gostos, o Rio possui picos perfeitos para a prática do bodyboarding. Podemos listar pelo menos cinco que são dominados pelas pranchinhas e pés de pato.

Começando pela zona sul, um pico clássico fica em Copacabana, a praia mais famosa do mundo! Mais precisamente no posto cinco, onde rolam altas ondas cavadas e os bodyboarders aproveitam os tubos e os lips para a prática do esporte. A onda que moldou a técnica do mito, Guilherme Tâmega, tem seus melhores dias com ondulação de sul ou sudeste e vento sudoeste, sul ou oeste.

bodyboard_guilhermetamega_copacabana_pedromonteiro

GT voando em Copacabana

Um pouco mais a frente, em direção ao forte de Copacabana temos o Shore Break. O pico proporciona uma onda negativa que se forma em cima de uma bancada super rasa. Os atletas que buscam mais adrenalina e possuem mais experiência aproveitam quando a maré está mudando para surfarem os melhores tubos. Para o mar por lá ficar perfeito, o vento precisa estar fraco e a única ondulação mais constante no Rio que não favorece a onda, é a de leste.

Próximo à famosa praia do Arpoador, encontra-se a charmosa Praia do Diabo. A praia é pequenininha e oferece um grande visual. Apesar de seu tamanho, possui 3 picos perfeitos com ondas para direita e esquerda com força para flipar bem alto. O primeiro pico é o que fica de frente para areia, com direitas cheias que chegam a vir da ponta da pedra que a separa da Praia do Arpoador, chegando no inside já cavada. O segundo é depois da guarita do quartel, nesse pico só fica a galera que surfa, pois na areia é proibido pisar. O que é ótimo, porque impede o crowd de banhistas. Ele é conhecido como "segunda", onde rolam altas esquerdas tubulares pros dois lados no meio da praia. Fechando, existe a famosa "terceira", que fica depois da pedra que encerra a praia. Nesse pico os bodyboarders aproveitam os incríveis triângulos que vêm para os dois lados, sendo o melhor para esquerda. Lá a onda é mais seca e quebra de frente para uma prainha particular. O  bodyboarder profissional “local” Sérgio Luiz, de 23 anos, nos conta sobre as melhores condições do pico onde ama surfar.

Sergio Luiz: Na praia do Diabo fica bom com condições de sudeste. De sul também rolam boas ondas e de leste pode rolar um reef, mas a melhores condição lá, sem dúvida, é  rola com ondulação de sudeste, que entra de frente e rolam ondas, tanto onda pra direita, quanto pra esquerda.

A última praia da zona sul é São Conrado e é nela que se formam um dos melhores triângulos pra esquerda do Rio de Janeiro. Apesar de sofrer com esgoto despejado sem nenhum tratamento, o pico oferece altas ondas e quem domina o canto esquerdo são os bodyboarders. Vento de oeste e norte com ondulação sudeste e leste deixam o pico alucinante.

Para encerrar, vamos ao pequeno paraíso localizado dentro de um condomínio de casas entre São Conrado e a Barra da Tijuca. A praia da Joatinga fica escondida e o acesso é mais difícil, porém, por sua beleza e ondas divertidas, o pico tem ficado bastante crowd. Por lá, existe dois picos: Voodoo e Canto esquerdo. O Voodoo é o paraíso dos bodyboarders, com fortes e perfeitos triângulos para direita. Nessa praia rolam ondas quando a maioria das outras estão flat devido ao seu tamanho reduzido, o que permite que a ondulação ganhe mais força. Ondulação de sul ou sudoeste e vento norte, nordeste ou leste fraco, são as melhores condições para desfrutar as ondas da Joatinga.

joatinga
Toda a beleza da Joatinga

 

Tags:
COMPARTILHAR