AGUARDE
24 maio 2016

WSL e Kelly Slater firmam parceria

Entidade máxima do surfe competição mundial vira sócia majoritária da tão falada piscina ondas de Kelly Slater

A parceria entre a WSL (World Surf League) e a KSWC (Kelly Slater Wave Company) tem como objetivo principal criar centros de treinamentos para evolução do surfe, além de democratizar o esporte e oferecer condições ideais para a criação de novos talentos.A WSL Holdings, empresa-matriz da World Surf League (WSL), anunciou nesta terça-feira um acordo para adquirir uma participação majoritária na Kelly Slater Wave Company (KSWC).

A parceria entre a WSL e a KSWC será dedicada a promover o crescimento de surfe de alto desempenho em todo o mundo. A tecnologia revolucionária da piscina de ondas do maior surfista de todos os tempos cria uma série de possibilidades para o futuro do esporte. A WSL e a KSWC vislumbram o crescimento de uma rede global de centros de treinamentos de alto desempenho com a marca da Liga Mundial de Surfe utilizando esta tecnologia de ondas.

Para Kelly Slater, 11 vezes campeão do mundo, a criação desta tecnologia é a realização de um sonho de um projeto de 10 anos, e o anúncio da parceria traz seus dois mundos juntos. "Enquanto surfar para mim sempre será relacionado à aventura, viagens e oceano, esta onda traz uma nova oportunidade para o esporte, sem tirar a essência que atraiu muitos de nós para o surfe", disse Slater. "Surfar ondas excelentes em um ambiente controlado traz uma nova dimensão, sem briga pelas ondas, sem estresse sobre quem pega a melhor. Todo mundo pode relaxar, se divertir e se concentrar em melhorar o seu surfe".

"É além dos meus sonhos que essa onda vai ser um passo para o avanço global deste grande esporte, em parceria com a WSL", acrescentou. "Ela vai democratizar o surfe e proporcionar incríveis oportunidades de formação aos atletas, bem como aos surfistas iniciantes em áreas sem ondas do mar", continua Slater.

A WSL sanciona e organiza as competições de surfe profissional do mais alto nível para homens, mulheres em diversas categorias, como ondas grandes, longboarders e juniores.

"A WSL orgulhosamente representa o melhor no surfe competição de homens e mulheres em todo o mundo, e a tecnologia de ondas desenvolvida por Kelly Slater e sua equipe é uma inovação revolucionária que tem o poder de aumentar dramaticamente cada aspecto do nosso esporte", disse Paul Speaker, CEO da WSL. "Nós compartilhamos a mesma visão e paixão pelo cultivo de surfe de alta performance, e estamos animados para além de trabalhar juntos sob o mesmo teto, trazer o esporte a níveis e lugares nunca antes possíveis”, enfatizou o mandachuva da entidade máxima do surfe competição mundial.

A tecnologia KSWC cria uma oportunidade para que os surfistas pratiquem e desenvolvam níveis cada vez mais elevados de desempenho num ambiente de repetição, com oportunidades sem precedentes em torno da câmera e do sensor fornecendo análise imediata e perfeitamente precisa sobre o seu progresso. Esta é a primeira onda feita pelo homem, que convincentemente oferece o poder e a forma das ondas do mar mais procurados pelos surfistas talentosos, incluindo um tubo oco que permite longos passeios por dentro da onda. Enquanto o surfe de alto desempenho é a principal missão tanto da WSL como da KSWC, a tecnologia de onda é flexível e pode também criar ondas variáveis para iniciantes e surfistas intermediários.

O comissário da WSL, Kieren Perrow, visitou recentemente a primeira piscina da KSWC e disse que a onda superou suas expectativas. "Até algumas semanas atrás, eu nunca tinha surfado essa onda, e quando o fiz, eu estava deslumbrado com a experiência", disse Perrow. "É incrível ver esta onda em ação - que tem mais energia e poder do que eu esperava e esta tecnologia detém um grande potencial para o desenvolvimento futuro de surfistas e aqueles que já competem em nosso circuito”.

"Não há planos firmes para incluir uma competição baseada em ondas produzidas pelo homem. Nós estaremos avaliando todas as possibilidades nos próximos meses com o escritório dos comissários e os atletas da WSL".

O CEO da WSL, Paul Speaker, enfatizou que nada poderia substituir a magia e o mistério da competição da elite mundial no oceano. "Nós acreditamos que todas as partes interessadas - atletas, fãs, transmissão e parceiros corporativos - serão super energizadas pelo advento do Championship Tour a um nível de competição em ondas produzidas pelo homem, mas o oceano será sempre a nossa casa, e as ótimas ondas do nosso Tour sempre continuarão a ser a espinha dorsal da nossa programação competitiva". Speaker acrescentou: "Não há planos firmes para incluir uma competição baseada em ondas produzidas pelo homem. Nós estaremos avaliando todas as possibilidades nos próximos meses com o escritório dos comissários e os atletas da WSL".

A WSL Holdings é a matriz da World Surf League (WSL). A transação está sujeita à negociação da documentação definitiva mutuamente aceitável, entre outras condições habituais. As duas empresas continuarão a operar de forma independente, como entidades separadas, depois do fechamento de uma transação. Os detalhes financeiros da aquisição não foram divulgados.

Tags:
COMPARTILHAR